terça-feira, 14 de outubro de 2008

Sozinho em Lisboa

Quando o José Sócrates acordou, descobriu que estava sozinho no Palácio

de S. Bento. Não havia ajudantes de ordens. Não havia ministros, não havia cozinheiros. Nem contínuos, nem mesmo os seus mais fiéis assessores e ministros mais próximos ele encontrou. Não havia ninguém.

José Sócrates pegou no carro e saiu para dar uma volta pela cidade para ver se encontrava alguém. Mas a cidade estava deserta. Não havia ninguém nas elegantes avenidas de Lisboa, e ele voltou para o palácio muito preocupado.

Daí a pouco,o telefone tocou. Era o António Costa.

- Zé? - disse o António Costa - És tu?

- Sim, sou eu. Mas o que é que se passa? Não está ninguém aqui em Lisboa? O que houve? Assim, não pode. Assim, não dá!

- É claro que não tem ninguém aí. Nem em Lisboa nem no resto do país, meu amigo. Tu não te lembras do teu discurso de ontem à noite na televisão? Tu descontrolaste-te e disseste que quem não estivesse satisfeito com o teu governo que fosse embora, que mudasse de país.

- Eu??? Eu disse isso?! E agora?... então ficamos só nós dois aqui em Portugal?


- Nós dois, porra nenhuma!! Eu estou a telefonar de Paris.

Um comentário:

Tiago disse...

Infelizmente há muito desgraçado que ainda julga que Sócrates é o melhor para o país... É mas é só propaganda!